Para Radialista, Gobira não escapará de colisão com o pretérito político – Confira

Publicado em 13 mar 2019 - Silvano Dias

*CaJá MUIDO!!!!*                                                                         

A vida é mesmo redonda!

Em meados dos anos 90 o sapateiro Antônio Gobira, era mostrado em rede nacional montado num jumento fazendo campanha “inleitorá”, palhada? Poderia até ser… Mas foi o jeito encontrado pelo mesmo para aparecer.

Os anos se passaram, mas, o jeito de levar humor em sua carreira política continua sendo o forte de Gobira. Depois de uma relação política conturbada com o grupo de Carlos Antônio, o Antônio, parece ser exibido como troféu uma espécie de aquisição pelo esquema político que fora combatido durante anos por ele.

Ataques e mais ataques iam e vinham entre C.A e o Sapateiro. Os incontáveis processos contra o ex-gestor, a operação Andaime que apontou ligação de várias pessoas ligadas à gestão da ex-prefeita Denise, nortearam o discurso do então candidato a deputado federal em 2014 e consequente a prefeito em 2016. 

Basta rever os debates para ouvir a forma por vezes até, desagradável que Gobira tocava neste tema. Se formos apontar outros pontos dessas ensaiadas falas, passaríamos dias escrevendo.

No tempo presente, mais uma Gobiragem (Jeito Gobira de fazer Política), acontece e parece que o “tiro” saiu pela culatra. Após criticar em uma das emissoras local, o comportamento dos dois deputados da base do governo que brigavam no seu entendimento por cargos, eis que um vídeo mostra Gobira se rendendo ao projeto que até bem pouco como ele mesmo diz: “sentava o pau”.

Nas redes sociais, os comentários são muitos numa espécie cobrança e, surge cada uma!

Mais uma coisa é certa, o choque entre Gobira e sua trajetória será inevitável além de é claro da latente, frustação dos “Gobirandos” [prováveis eleitores], que são em grande parte pessoas que não seguem Carlos e C&A e nem o grupo do prefeito Aldemir, e que por tanto, viam nele [o sapateiro], como aquela figura que os representava. Mas ele terá tempo para ensaiar o discurso e tentar convencer que “todos estão surdos”, numa declaração flagrante que tudo estava certo, incluindo aquilo que ele tanto condenou.

Por Jota Herre