Paraíba tem 18 açudes e bacias sangrando; Aesa prevê chuvas dentro da média entre abril e julho no Litoral, Agreste e Brejo

Com alto registro de precipitações desde o encerramento do verão, os volumes de água nos reservatórios da Paraíba vem aumentando substancialmente. Ao todo, segundo dados divulgados pela Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa-PB) até o dia de ontem, 18 reservatórios de águas estão sangrando no estado. Ainda de acordo com a agência, as regiões Litoral, Brejo e Agreste terão chuvas dentro da média histórica nos meses de abril, maio, junho e julho.

De acordo com os dados da Aesa, ao todo, 13 dos 18 açudes ou bacias com volumes acima da capacidade total estão localizados no Alto Sertão paraibano. Um está localizado no Cariri e quatro estão distribuídos entre Brejo e Litoral. A expectativa da técnica de Geoprocessamento e Recursos Hídricos da Aesa-PB, Janayres Barbosa, é de que mais cinco reservatórios possam sangrar nas próximas 48h, com o recebimento das águas das chuvas dos últimos dias e, também, das precipitações previstas. Um deles é o Açude da Farinha, em Patos, que, até o fechamento da matéria, registra 87,76% da capacidade hídrica ocupada.

Ao todo, 22.588.618 m3 estão ocupados dos 25.738.500 da capacidade total. “As recargas aumentaram devido às chuvas dos últimos dias somadas ao acúmulo de armazenamento das chuvas de 2022, que foi um ano bom na questão hídrica. Alguns reservatórios já estavam cheios e por apresentarem uma situação boa, com as chuvas na bacia do Sertão e Alto Sertão eles sangraram”, disse Janayres Barbosa.

Previsão de chuvas – A previsão acima citada foi elabora pela gerência de Monitoramento e Hidrometria após videoconferência com técnicos do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec) e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

“Neste momento nossa previsão é voltada para o Litoral, Brejo e Agreste porque o quadrimestre de abril a julho é o período mais chuvoso nestas regiões. Em dezembro a Aesa já havia divulgado a previsão para as regiões do Sertão, Alto Sertão, Cariri e Curimataú que tem seu período mais chuvoso de fevereiro a maio”, explicou a meteorologista da Aesa, Marle Bandeira.

De acordo com a meteorologista, a tendência é de que as chuvas ocorram dentro da média climatológica nestes próximos quatro meses: 913 milímetros no Litoral, 608 milímetros no Brejo e 428 milímetros no Agreste. Estes números podem variar em até 25 por cento para mais ou para menos. “Os principais fenômenos meteorológicos neste período são as Ondas de Leste, que são aglomerados de nuvens que se formam no oceano Atlântico. Elas vêm da conta da África e vêm se deslocando em forma de onda”, acrescentou Marle.

Ranking – A cidade de Cajazeiras lidera o ranking das chuvas 2023 com 942 milímetros, seguida por Cachoeira dos Índios (804 mm), Bom Jesus (778 mm), São Bento (771 mm) e Paulista (745 mm). A lista completa da quantidade de chuva em cada município está disponível no site aesa.pb.gov.br. Na página também é possível acessar o prognóstico climático completo.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *